top of page

Unidos da Tijuca toma um banho de axé para revelar os segredos da Baía de Todos os Santos


Passava das 4h30 da manhã deste domingo, quando o presidente Fenando Horta anunciou o samba que defenderá na Avenida o enredo “É onda que vai... É onda que vem... Serei a Baía de Todos os Santos a se mirar no samba da minha terra”, com o qual a Unidos da Tijuca desfilará no Rio Carnaval 2023. A Escola do Morro do Borel será a quarta a se apresentar no domingo, 19 de fevereiro. O samba vitorioso é assinado por Júlio Alves – que assinalou o seu nono triunfo na Tijuca – Cláudio Russo e Tinga.

A comunidade tijucana não escondeu que este era o samba de sua preferência e continuou comemorando até o dia clarear, na quadra da Av. Francisco Bicalho, junto à Rodoviária Novo Rio.


A Tijuca foi a penúltima agremiação do Grupo Especial a escolher o samba. Agora, falta apenas a Mocidade Independente, na noite deste domingo, na quadra da Av. Brasil, considerada o “Maracanã do Samba”.

Mais uma vez a Diretoria da LIESA se fez presente, representada pelo presidente Jorge Perlingeiro; o diretor Jurídico, Fernando César Leite; o diretor de Carnaval, Elmo José dos Santos; e o diretor de Marketing, Gabriel David. Foram levar o seu abraço ao presidente Fernando Horta, que os recebeu em seu camarote.


Sabedor do grau de equilíbrio que será a disputa do Rio Carnaval 2023, o presidente Horta declarou que sua Escola trabalhará ainda mais do que fez neste ano, quando apresentou um espetáculo bastante elogiado pelo público e pela crítica. Comentou que aposta no talento e na criatividade do carnavalesco Jack Vasconcelos, na força dos ensaios técnicos e sobretudo na garra de sua comunidade.


O carnavalesco Jack Vasconcelos também está bastante otimista com o trabalho que vem sendo executado no barracão: “Será uma oportunidade para as pessoas conhecerem um pouco do berço da História do Brasil e um convite aos que pretendam visitar a Baía de Todos os Santos”.


Antes da disputa dos sambas finalistas, a Tijuca realizou um show sobre a cultura baiana, seu folclore, sua religiosidade e a força de sua música.



(Com informações da Assessoria de Imprensa da Unidos da Tijuca – Fotos Henrique Matos/LIESA)




Comments


bottom of page